A História

Não se sabe ao certo o dia em que foi fundada, no lugar de Falgoselhe da freguesia de Castanheira do Vouga, a filarmónica do mesmo nome, actual Banda Castanheirense. Sabe-se apenas que a primeira actuação foi a 8 de Dezembro de 1896 na festa da Imaculada Conceição no pequeno lugar de Avelal de Baixo, também desta freguesia.
Mais tarde, na década de 1930, a sede da Banda foi transferida para o lugar de Castanheira do Vouga, sede da freguesia, de onde já eram maioritariamente os seus executantes.
Construiu sede própria, concluída e inaugurada em 1974, sendo a primeira Banda do concelho de Águeda a ter instalações dignas desse nome.
Em 1989 com a aquisição de novo instrumental, conseguido com a colaboração da Câmara Municipal de Águeda e do benemérito Comendador Almeida Roque, inicia uma nova etapa da sua existência. Imprime-se nova dinâmica à Banda e reestrutura-se a Escola de Musica que começa a funcionar eficientemente e a dar os seus frutos.
Hoje a Banda transborda de juventude. Composta por cerca de 55 elementos cuja média de idades ronda os 18 anos.
Castanheira do Vouga, apesar de ser uma freguesia pequena e dispersa, com cerca de 700 habitantes, parca em recursos financeiros, orgulha-se da sua Banda.
Em 2001 deu-se um dos acontecimentos mais importantes da sua história, com a primeira internacionalização, numa memorável deslocação ao Luxemburgo, para participação nas comemorações do dia de Portugal e das Comunidades. Foi também o ano da gravação do seu primeiro CD, intitulado “Sons d’Aldeia”, que contém algumas obras do seu repertório.
Dezembro de 2005 é marcado pelo lançamento da segunda discografia “Edição Histórica – 109 anos”, sendo, sem dúvida, mais um momento e motivo de orgulho para as gentes Castanheirenses.

A História

Patrick Daniel Tavares Monteiro, nasceu no Luxemburgo em 1985, tendo iniciado os seus estudos musicais aos 8 anos de idade na Banda Flôr da Mocidade Junqueirense com o Maestro Manuel Joaquim Almeida. Aos onze anos de idade, ingressou na Academia de Música de Vale de Cambra onde iniciou a sua formação em Clarinete até ao 5ªgrau, tendo trabalhado com os professores Luís Carvalho e Nélson Aguiar. Seguidamente completou 8ºgrau do curso de Clarinete na Academia de Música de Oliveira de Azeméis na classe do professor Domingos Freitas. Em 2011 ingressa na Universidade do Minho, no âmbito do curso de Interpretação de Instrumento-Clarinete na classe do professor Vítor Matos, encontrando-se a terminar o 2º ano de respetivo curso. Frequentou vários Master-classe em Clarinete, tendo trabalhado com músicos de reputação internacional como François Benda, Harri Maki e Tibor Reman entre outros.
Frequentou o master-class de Direção de Orquestra de Sopros em Vila Real, promovido pela Banda distrital de Vila Real e orientado pelo maestro e compositor Carlos Marques em dezembro de 2011.
Como intérprete participou com ensemble de Clarinetes da Universidade do Minho, no Congresso Internacional de Clarinete de Lisboa e Braga no ano de 2012 e no 4º Festival Internacional de Clarinete do Dão no ano de 2013. Recentemente em Março de 2013 como elemento da orquestra da Universidade do Minho, gravou o Bolero de Ravel para a RTP no âmbito do programa “Música Maestro”.
Participou em vários estágios como instrumentista: Estágio de orquestra de sopros do Inatel (2003), Estágio de orquestra de sopros da Universidade Piaget (2009).
Durante o seu percurso trabalhou sob orientação de vários maestros, nomeadamente, Paulo Almeida, Vítor Matos, Carlos Marques, Paulo Martins, Kevin Wauldron, Toby Hoffman, Roberto Perez, Gil Magalhães, Rui Massena entre outros.
No ano letivo de 2012/2013 lecionou Clarinete na Academia de Vale de Cambra. No que diz respeito ao meio filarmónico é executante da Banda Flôr da Mocidade Junqueirense desde os seus 10 anos de idade, tendo colaborado como executante com várias bandas filarmónicas entre as quais, Banda Musical de 5.
João da Madeira, Banda Musical da Mamarrosa, Orquestra Filarmónica 12 de abril, Banda Filarmónica Cucujanense e Banda Musical da Povoa do Varzim.
Como maestro assumiu desde 2011 o lugar de Maestro-adjunto na Banda Flôr da Mocidade Junqueirense, sendo também responsável pela sua Banda Juvenil desde então.
Desde maio de 2013 assumiu a função de maestro e Direto Artístico da Banda Musical e Recreativa Castanheirense.